Você de volta ao controle

Alertas

Tipos de próteses

Próteses penianas são dispositivos colocados dentro do corpo do homem, projetados para ajudá-lo a conseguir uma ereção.

Existem dois tipos de próteses penianas (semirrígida ou inflável), que variam no funcionamento, na naturalidade da ereção e no número de componentes. Os critérios para a indicação incluem condição e avaliação médica, estilo de vida, preferência, habilidade pessoal e custos.

  Semirrígida Inflável
O que é Composta por duas hastes cilíndricas, geralmente feitas de silicone sobre um molde metálico, flexíveis e dobráveis a 90º. Trata-se de uma tecnologia de inflação e deflação totalmente discreta (não é perceptível a olho nu) e controlável, com excelente resultado estético, reproduzindo uma ereção semelhante à fisiológica e um estado de flacidez muito próximo do natural. Dividem-se em modelos de dois ou três volumes. O primeiro é composto dos cilindros e de um dispositivo escrotal (reservatório + bomba). E as próteses de três volumes incluem os cilindros, a bomba escrotal e o reservatório abdominal.
Duração da ereção O pênis fica rígido permanentemente, embora seja possível orientá-lo em diferentes posições, dependendo da necessidade de se ter uma relação sexual, urinar ou usar determinadas vestimentas, como as de banho. Devido à sua avançada tecnologia, permite uma ereção controlada e natural, no momento desejado pelo usuário, evitando constrangimentos.
Influência no tamanho do pênis Cada prótese peniana é feita sob medida para a anatomia do paciente (dependendo do histórico médico, não é raro o pênis diminuir de 1 cm a 2 cm) Enchimento radial de até 22 mm de diâmetro em cada um dos cilindros colocados no corpo cavernoso do pênis, conferindo plasticidade mais ereta e mais próxima do natural, o que está associado à sensação de prazer na mulher, segundo alguns estudos.
Manuseio Para ter a ereção, deve-se mover o pênis para a posição desejada e depois retorná-lo para a anterior. É possível controlar a firmeza do pênis, pressionando a bomba até obter a ereção desejada e, depois, retornar ao estado de repouso, acionando a válvula de esvaziamento.
Procedimento cirúrgico Os cilindros são colocados no corpo cavernoso do pênis. Além dos cilindros colocados no corpo cavernoso do pênis, a cirurgia também inclui a implantação da bomba com a válvula no escroto e do reservatório em local que varia dependendo do modelo e da técnica adotada.
Pós-operatório O tempo médio de recuperação varia de quatro a seis semanas. Após a cirurgia, é necessário treinamento para o correto manuseio da prótese, seja ela semirrígida ou inflável. Cada paciente se restabelece de uma forma diferente, mas, em geral, a retomada da atividade sexual varia de quatro a oito semanas.
Vida sexual após o implante Se o paciente costumava ter orgasmos antes de receber a prótese peniana, continuará a tê-los normalmente. O mesmo vale para a capacidade de ejaculação.
Abordagem de situações clínicas pós-implante A compressão constante da uretra dificulta e/ou inviabiliza determinados procedimentos em que a cateterização é necessária: tratamento de câncer de próstata e de cálculo renal, esvaziamento da bexiga de pacientes cadeirantes e hospitalizados etc. Não há compressão constante da uretra, em função de o sistema possibilitar o estado natural de repouso, quando não há o desejo da ereção.
Inconvenientes Falta de naturalidade e ereção permanente e visível. Necessidade de destreza manual mínima para acionar o sistema.
Possibilidade de eventuais complicações como infecção (3%), erosão (1%) e mau funcionamento do dispositivo (12%), resultando na necessidade de remoção ou troca da prótese.
Indicação Os dois tipos possibilitam que homens com disfunção erétil irreversível reestabeleçam a atividade sexual.



destaques

Copyright © 2014 Sociedade Brasileira de Urologia
Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Ketchum.